EMILIO GONZÁLEZ SÁINZ

Caspar, David, Friedrich, 2018. Tinta e aguarela sobre papel, 13 x 20 cm. Cortesia: Galería Siboney, Santander

EMILIO GONZÁLEZ SÁINZ

Torrelavega, Espanha, 1961

Apresentado pela GALERÍA SIBONEY

Licenciado em Belas Artes pela Faculdade do País Basco, Emilio González Sáinz vive e trabalha em Periedo, Cabezón de la Sal (Cantábria). No seu projecto apresentam-se obras de duas séries distintas. Por um lado, desenhos a tinta-da-china realizados “à linha”, com um único traço e idêntica espessura ao longo do seu desenvolvimento, com os quais constrói umas espécies de “cartas” com referência a quadros genealógicos ou a quadros sinóticos. Neles realiza listagens fundamentalmente de escritores e artistas, mas também de exploradores, músicos, poetas ou cantores, com os que tenta delimitar um determinado território moral, um campo de intenções para a sua obra.
E com estes, alguns desenhos também em tinta-da-china preta, mas realizados sobre aguarelas próprias, de séries anteriores, sobre as quais relata novamente estas genealogias. Aparecem, até certo ponto, como arquétipos duma parte da cultura europeia dos últimos trezentos anos, que se relaciona com os livros e com o conhecimento da natureza como âmbitos tanto de trabalho, como de prazer individual.