GLORIA HERAZO

Madre e hija, 2019. Collage y bordado, 29x23 cm. Courtesy: Adrián Ibáñez Galería

GLORIA HERAZO

Bogotá, Colômbia, 1973

ADRIÁN IBÁÑEZ GALERÍA

Gloria Herazo é licenciada em Artes Plásticas pela Universidade Nacional da Colômbia. Mais tarde completou os seus estudos avançados no Instituto Nacional de Aprendizagem da Costa Rica em Técnicas Materiais e Introdução à função social e terapêutica da arte na Universidade Complutense de Madrid, em Espanha.
Gloria Herazo parte da premissa de se enquadrar como mulher, mãe e artista; as suas pinturas do final dos anos 90 e início dos anos 2000 marcam cenários nos quais as mulheres desempenham um “papel” essencial, damas da sociedade, esposas perfeitas, amantes refinadas que escondem a sua identidade, deixando apenas as poses, a moda, o estilo. A anulação da identidade marca a morte do retrato e é substituída por outra coisa, o objecto, o símbolo, o poder do masculino, a palavra e a norma.
Nos seus trabalhos mais recentes, a contenção é importante; o formato, a escala, o detalhe e o material assumem uma importância marcante e traduz-se numa parte fundamental do trabalho. Os seus desenhos de linha e tempo devoram o papel e os tecidos que os sustentam; as figuras que estão ali presas lutam para entregar uma mensagem, que, como observadores devemos conseguir alcançar, podendo cair no engano do súbtil e do belo e não morder o anzol de sermos apanhados pelo veneno que advém das suas imagens, porque são um grito das fundações de género e da posição das mulheres na sociedade. Os seus formatos vão desde a escala mínima oculta ao trabalho de escala de parede. Herazo expôs os seus trabalhos em França, Bruxelas, Alemanha, Espanha, Estados Unidos, Panamá e Colômbia.