MIZUHO KOYAMA

ALICE 1 Opening Poem, s.d. Sumi ink, crayon, pencil, stamp and paper, 44x33 cm. Courtesy: Gallery Kitai

MIZUHO KOYAMA

Tóquio, Japão, 1955

GALLERY KITAI

A história do sho (caligrafia tradicional japonesa) tem sido transmitida sem interrupção desde a antiguidade. As magníficas restrições apoiadas pela história desta forma de arte são tão vinculativas que raramente são geradas novas expressões que transcendem a estrutura do sho. Hoje testemunhamos o surgir de um novo libertador do sho que cria um mundo original ao mesmo tempo que emprega um estilo inovador diferente dos seus antecessores
A sua primeira inovação foi fazer uso da poesia em inglês e outros tipos de escrita alfanumérica que pessoas de todo o mundo podem ler. Em segundo lugar, ela incorporou fatores extraídos do grafite livre que cresceu nas ruas de Nova York, que pode ser considerado o extremo oposto do sho tradicional, com as suas rígidas regras de expressão. Por último, harmonizou engenhosamente no papel os clássicos e as técnicas de sho que aprendeu com as duas inovações acima descritas para estabelecer o seu próprio estilo original de expressão.
No centro dessas três inovações bem-sucedidas está o seu grande desejo de criar obras que tocam a consciência e o senso estético partilhados por pessoas de todo o mundo independentemente da sua nacionalidade, religião e época – um desejo que ela expressa de maneira simples a preto e branco.