PEDRO CABRITA REIS

Notas para o outono (col. I-V) #2-8, 2018. Grafite na impressão a jacto de tinta, 76 x 56 cm. Cortesia: Galeria Miguel Nabinho, Lisboa

PEDRO CABRITA REIS

Lisboa, Portugal, 1956

Apresentado pela GALERIA MIGUEL NABINHO

Pedro Cabrita Reis nasceu em 1956 em Lisboa, onde vive e trabalha, e é um dos artistas portugueses mais famosos dos dias de hoje. O seu trabalho foi exibido em eventos internacionais, como a 9ª Documenta e a 24ª Bienal de São Paulo. Em 2003, representou Portugal na Bienal de Veneza.
O complexo trabalho de Pedro Cabrita Reis inclui uma multiplicidade de meios, desde desenhos em grafite e pastel a pinturas em grande escala e instalações dimensionadas para arquitectura. O fluxo entre os materiais usados, no entanto, mantém o carácter de cada um deles. Esculturas tornam-se imagens; quando presas a janelas, pinturas articuladas monocromáticas vão dar elementos arquitectónicos ou desenvolvem qualidades esculturais. Fotografias que aparecem nas instalações abrem espaços de memória e reflexão sem fim. A natureza aparece no seu trabalho de maneira extremamente filtrada, como um caminho para a consciência. A perda da natureza como ideia de referência é o motor do trabalho de Cabrita Reis. O artista vê a arquitectura como uma forma de a substituir e entende-a como uma disciplina mental ou um “exercício de realidade” através do qual nos medimos a nós mesmos e ao mundo. E isto tudo requer uma precisão enorme.