GONZALO ELVIRA

Bauhaus cartel XIII, 2019. Tinta sobre papel, 50x60 cm. Courtesy: Galería Siboney

GONZALO ELVIRA

Pagatonia, Argentina, 1971

GALERÍA SIBONEY

Vive e trabalha em Barcelona desde 2000. Apresenta desenhos do seu projeto artístico “Bauhaus1919, modelo para armar”, no qual tem vindo a trabalhar há já vários anos, em torno da escola de arte que simboliza a utopia e na qual o artista concentra o foco das suas obras.
É o título do projecto de Gonzalo Elvira, que esconde um jogo de palavras entre o ano de criação da escola e o título do livro “62/Modelo para armar,” de Julio Cortázar.
Os dados objetivos da única presença feminina de Gunta Stölz no corpo docente e, de alguma forma, das alunas que foram enviadas para as oficinas de têxteis e cerâmica, justificam a homenagem do artista às criações da oficina de têxteis que, na sua opinião, foram as produções mais interessantes realizadas na escola. Gunta Stölz, Anni Albers e Liz Volger foram figuras de destaque neste campo da criação.